Como nos organizamos?

Como nos organizamos?
Clique aqui para saber

quarta-feira, 30 de abril de 2014

Batismo e Renovação das Promessas do Batismo


No próximo sábado, 03/05, teremos o Batismo de 4 adolescentes durante a Missa com Crianças, às 16h, e  também a Renovação das Promessas do Batismo dos catequizandos que farão1ª Comunhão no dia 24/05.

É importante que os catequizandos estejam de blusa branca.

Haverá encontro normal.

terça-feira, 22 de abril de 2014

Cursos no Apostolado Litúrgico



ANO LITÚRGICO
Caminho pedagógico da fé


                                   
Data: 24 de abril das 14:00 às 17:30hs
Destinatário: animadores de liturgia e catequistas
Assessoria: Penha Carpanedo, pddm.
Objetivo
Maior compreensão e vivência do ano litúrgico como itinerário de fé, fonte de espiritualidade da vida cristã e da catequese.
Conteúdos:
- Em grandes linhas, a gênese do ano litúrgico;
- O memorial da páscoa ao longo de um ano: em cada domingo núcleo e fundamento do ano litúrgico; no tríduo pascal maior solenidade;
- Nos tempos e nas demais festas do Senhor;
- Nas festas e memórias das testemunhas do mistério pascal (Maria, os santos e santas);
- Em função da espiritualidade cristã.
Organização: Apostolado Litúrgico
Rua Camboa do Carmo, 83 Santo Antônio - Recife/PE
Fones: (81) 3224-4259 / 3224-0517
Taxa de Inscrição: R$ 10,00

_________________________________________________








Descrição: everton001
LITURGIA
na catequese




Data: dia 25 de abril de 2014 das 14:00 às 17:00hs
           dia 26 de abril de 2014 das 9:00 às 17:00hs 
Destinatário: Catequistas, animadores de liturgia e formadores.
Organização: Apostolado Litúrgico - Recife - PE
Assessoria: Penha Carpanedo, pddm.
Objetivo
- Buscar maior compreensão da catequese no estilo catecumenal e maior compreensão da liturgia como fonte da vida cristã e da catequese;
- Explicitar a relação entre os conteúdos da catequese e os ritos;
- Capacitar catequistas para a preparação e a presidência das celebrações da Palavra, dos ritos e dos momentos de oração no itinerário da iniciação.
O foco
- O curso se restringe à catequese de iniciação realizada com crianças e adolescentes, realidade mais ampla e mais comum em nossas comunidades;
- Nossa referência para conteúdos e metodologia é o curso realizado no Rio de janeiro, em 2013;
- Nossa intenção é partilhar preocupações, compreensões e experiências nesse campo.
Conteúdos
- O que propõe o Ritual de Iniciação Cristã de Adultos (RICA).
- Catequese no estilo catecumenal;
- Diferença entre encontro catequético e celebração litúrgica (sentido e estrutura de uma celebração) em função da catequese;
- A fé e adesão a Jesus, ponto de partida da catequese;
- Uma novidade: o pré-catequmenato;
- A importância das celebrações da Palavra;
- A mistagogia, na liturgia e no encontro catequético;
- Vivência de alguns ritos.
Metodologia: Exposição com interação dos participantes; prática pedagógica; vivência ritual, celebração do ofício.

Taxa da Inscrição R$ 15,00

sábado, 12 de abril de 2014

Procissão de Ramos


Belíssimo o Encontro de hoje onde fizemos memória da entrada de Jesus em Jerusalém.
Hosana ao Filho de Davi!

quarta-feira, 2 de abril de 2014

Mensagem de Quaresma e Páscoa 2014


Brasão de dom Antônio Fernando Saburido 
Há cristãos que parecem ter escolhido uma Quaresma sem Páscoa (…)
Chegamos a ser plenamente humanos quando somos mais do que humanos, quando permitimos que Deus nos conduza para além de nós mesmos, a fim de que alcancemos o nosso ser mais verdadeiro.
 Papa Francisco
Exortação Apostólica Evangelii Gaudium, nn. 6.8
  
Queridos irmãos e irmãs da nossa Igreja de Olinda e Recife,
Isso que o papa Francisco propõe para retomarmos a alegria do Evangelho e vivermos essa plena humanização é a tarefa pascal de nossas vidas. A celebração da Quaresma e Páscoa pode nos ajudar a viver esse caminho. A Quaresma é um tempo muito querido para nosso povo. Os cânticos penitenciais, o costume da via sacra, as procissões de Quaresma e outras devoções são belos e guardam sua atualidade, mas devem ter como espírito o Evangelho da alegria, como insiste o papa. Devemos nós mesmos viver e testemunhar uma espiritualidade pascal. Como diz o Evangelho lido na Quarta-feira de Cinzas (Mt 6,1-6.16-18), essa espiritualidade deve basear-se no despojamento de nós mesmos (o jejum), na solidariedade a todos os irmãos e irmãs (a esmola) e no aprofundamento da nossa intimidade com Deus (a oração). E esse caminho não pode ser apenas uma espécie de prática quaresmal que, chegada a Páscoa, deixamos; tem de ser um modo de ser e de viver, permanentemente. Durante toda a Quaresma, vamos ouvir várias vezes a palavra de São Paulo aos filipenses, presente nas primeiras vésperas do Domingo: Tende em vós os mesmos sentimentos do Cristo Jesus. Ele, embora de condição divina, não se prendeu ao fato de ser igual a Deus, mas se despojou de si mesmo e tomou a condição de servo (Fl 2,5-6).
Habitualmente, interpretamos essa kênosis (esvaziamento) do Cristo como tendo sido vivida apenas em sua paixão. É claro que o foi, mas, de fato, ele a viveu em toda a sua vida e essa foi a sua forma se tornar servo, isso é, ministro. Então, o nosso ministério cristão deveria ser um prolongamento dessa atitude do Cristo: despojar-se e passar a servir verdadeiramente e de forma apagada. Isso não é apenas uma proposta pascal para cada um interiormente, mas para a Igreja como Igreja. Se queremos ser verdadeiramente fiéis a esse modo de ser de Jesus, temos de verificar continuamente se nossa Igreja como Igreja está vivendo isso. E isso é um desafio para mim, bispo, assim como para os meus auxiliares e para cada um dos padres, diáconos e agentes de pastoral. Estou convencido de que essa é a forma atual do jejum que Deus pede de nós nessa Quaresma, não jejum apenas de alimento e, sim, de tudo o que é aparência de poder, de prestígio e de triunfalismo eclesiástico, infelizmente ainda presente em alguns de nossos meios.
O serviço da justiça, correspondente à noção bíblica da esmola, é vivido por nós, especificamente, na Campanha da Fraternidade. Nesse ano, o tema aborda um problema que nos comove e espanta: o tráfico humano. É difícil compreender como, em pleno século XXI e em um mundo como o nosso, ainda possa acontecer essa barbaridade. Segundo a ONU, de 600 mil a 800 mil pessoas estão sendo agora, nesse momento, submetidas à escravidão. E o nosso país é um dos pontos de partida e de chegada dessa tragédia. Situações como tráfico de mulheres, de crianças e adolescentes, assim como de trabalhadores explorados podem estar acontecendo quase sob nossos olhos, aqui na nossa cidade ou mesmo bairro e precisamos estar muito mais atentos a isso e sermos mais capazes de reagir e de lutar contra essa desumanidade. O lema da CF é sempre uma motivação evangélica que deve inspirar nossa ação: É para a liberdade que Cristo nos libertou (Gl 5,1).
É essa solidariedade efetiva e permanente que deve fundamentar nossa atitude de oração e de intimidade com Deus, renovadas nesse tempo quaresmal e pascal pela maior frequência à Palavra da Bíblia e à Liturgia.
As palavras e ações do papa Francisco têm chamado muita atenção de cristãos e não-cristãos no mundo todo. Alguns tentam classificá-lo ideologicamente, como se o evangelho fosse uma questão de direita ou esquerda e pudesse ser vivido ou não de acordo com o modelo de uma Igreja mais avançada ou mais conservadora. Se posso lhes dar uma palavra de irmão mais velho e de pastor, garanto-lhes que não se trata disso ou, ao menos, esse não é o ponto mais importante. Compreender assim o papa seria ficar na superficialidade do mundo e não em uma leitura pascal da fé e da nossa missão. O que o papa escreveu na Evangelii Gaudium foi um chamado evangélico a todos, sejam aos mais sensíveis ao hoje de Deus, sejam aos mais apegados às tradições. Todos somos cristãos, todos temos lugar na Igreja que deve ser católica, isso é, aberta a todos. Nossa unidade deve se fazer no pleno respeito à diversidade. No século III, São Cipriano de Cartago já afirmava: A unidade abole a divisão, mas respeita as diferenças. Entretanto, testemunhar ao mundo o amor divino presente e atuante é obrigação de todos. E é nesse sentido que o papa cita Santo Irineu de Lyon ao afirmar: Na sua vinda, o Cristo trouxe consigo a novidade. E, com a sua novidade, ele pode sempre renovar a nossa vida e a nossa proposta cristã (EG 11). Então, não se trata de posição ideológica ou, menos ainda, política e, sim, de um caminho espiritual a seguirmos, cada um do seu modo e conforme seu jeito de ser, mas no mesmo espírito missionário e pascal.
Na recente celebração da Quarta-feira de Cinzas lembrei que, nessa Quaresma, recordamos que há justamente 50 anos nossa Arquidiocese recebia como arcebispo Dom Hélder Câmara. Ele se tornou nosso pastor, em meio ao Concílio Vaticano II, do qual ele era um dos mais importantes realizadores. Retomar esse espírito não como uma volta ao passado, mas para atualizá-lo no nosso mundo de hoje será o melhor modo de testemunharmos que o Senhor ressuscitou verdadeiramente e continua atuando entre nós e através de nós.
Desejo a vocês todos/as uma santa e fecunda Quaresma e uma feliz celebração pascal. Invoco sobre vocês a bênção renovadora da Páscoa e os abraço com amizade.

  Dom Antônio Fernando Saburido, OSB
Arcebispo Metropolitano