Como nos organizamos?

Como nos organizamos?
Clique aqui para saber

segunda-feira, 9 de maio de 2016

SACRAMENTO DA RECONCILIAÇÃO, CONVERSÃO, PENITÊNCIA OU DA CONFISSÃO



“Os pecados daqueles que vocês perdoarem serão perdoados. Os pecados daqueles que vocês não perdoarem não serão perdoados.” (Jo 20,23)

Chama-se Sacramento da Conversão, pois realiza-se sacramentalmente o convite de Jesus para o caminho de volta ao Pai, do qual a pessoa se afastou pelo pecado.

Chama-se Sacramento da Penitência porque consagra um esforço pessoal e eclesial de arrependimento e de satisfação do cristão pecador.

Chama-se Sacramento da Confissão porque a declaração dos pecados diante do sacerdote de Deus concede o perdão e a paz.

É também chamado de Sacramento da Reconciliação porque dá ao pecador o amor de Deus que reconcilia: "Reconciliai-vos com Deus" (2Cor 5,20).

Quem vive do amor misericordioso de Deus, está pronto a responder ao apelo do Senhor: "Vai primeiro reconciliar-te com teu irmão" (Mt 5,24).

É no sacramento do perdão que Deus reconhece nossas falhas, nossas limitações, mas reconhece também nossa boa vontade. Jesus disse: "Eu detesto o pecado mas amo o pecador".

Uma história:
Renato era um menino muito bom que morava num bairro pobre. Tinha dois irmãos. Ele ajudava a família, fazendo pequenos carretos na feira. Eram pobres, mas felizes, porque eram unidos.
Acontece que Renato tinha outros colegas de carreto, que não se davam bem com suas famílias; queriam mudar de vida e conhecer o mundo. E Renato acabou indo na onda deles e deixou a sua casa, entrando na droga.
No início foi tudo bem, porque era novidade. Mas com o passar do tempo as coisas foram ficando difíceis.
Renato perdeu o emprego, ficou doente, foi emagrecendo e, o pior de tudo, começou a bater a saudade e o remorso. Foi aí que Renato começou a sentir o quanto ele tinha perdido, saindo de casa. Estava sem lar, sem amigos, sem saúde e sem apoio.
Ficou arrependido, mas não tinha forças para deixar a droga. Foi então que encontrou um dedicado grupo ‘antidroga’ que lhe deu a mão e ele pode voltar para a família.
Os seus pais nunca tinham perdido a esperança de rever o seu querido filho e o receberam com alegria e carinho.
Renato aprendeu uma grande lição: valorizar a formação que recebeu da família porque ela é uma igreja doméstica.
A família é o lugar de amor, de perdão, de fraternidade, de união.
O que aconteceu com Renato foi uma conversão.
Jesus fica muito feliz quando nós voltamos para ele, reconhecendo nossos erros, pedindo perdão.
Deus nos ama e nos perdoa quando nos arrependemos sinceramente.
Deus conhece as nossas fraquezas e as nossas limitações, por isso Ele está sempre disposto a nos acolher.
Quando nos arrependemos, pedimos perdão e confessamos os nossos pecados, nós crescemos diante de Deus e dos irmãos.
Devemos contar todos os nossos pecados ao padre para receber o perdão, pois com isso nos restituiu a vida na graça e nos dá novo vigor para evitarmos pecar.



Requisitos para fazer uma boa confissão

Exame de Consciência: Rezar e pensar nos pecados cometidos. Examinemos a nossa consciência e lembremo-nos dos pecados que hoje cometemos por pensamentos, palavras, atos e omissões:
a) Nas nossas orações e outros exercícios de piedade;
b) No respeito e docilidade para com os nossos pais e quaisquer outros nossos superiores e no cumprimento de nossas obrigações;
c) No cuidado sobre os nossos sentidos, particularmente a vista e a língua; se falamos mal do próximo; se proferimos alguma palavra grosseira ou desonesta;
d) Nas ações, pensamentos e afeições: se houve alguma coisa menos digna ou desregrada;
e) No exercício da caridade: se maltratamos o nosso próximo e se, podendo socorrer alguém, deixamos de fazê-lo

Contrição ou arrependimento: Tristeza dos nossos erros e de nossa falta de amor a Deus.

Propósito: Evitar o pecado e servir a Deus com mais amor.

Confissão: Acusação clara e objetiva dos pecados ou falhas cometidas. Não tenha medo, receio ou vergonha de abrir seu coração para um padre. Por Jesus Cristo, só ele tem o poder de perdoar nossos pecados. Qualquer pecado! Desde que estejamos sinceramente arrependidos. Deus detesta o pecado, mas ama o pecador. É preciso saber também que para ser perdoado, precisamos também perdoar aquele que nos ofende, pois quando perdoamos alguém, o grande beneficiado somos nós mesmos. Não devemos confessar por medo e sim para voltar à graça de Deus

Penitência: Nos é dada pelo sacerdote para demonstrarmos nosso arrependimento e a firmeza de nosso propósito de evitar pecar e de reparar as falhas cometidas.

Os efeitos espirituais do Sacramento da Penitência são:

1.A reconciliação com Deus, pela qual o penitente recobra a graça;
2.A reconciliação com a Igreja;
3.A remissão da pena eterna devida aos pecados mortais(são três os tipos de pecados: venial, que é uma falta leve; mortal, que é uma falta grave; e o pecado da omissão)
4.A remissão, pelo menos em parte, das penas temporais, sequelas do pecado;
5.A paz e a serenidade da consciência e a consolação espiritual;
6.O acréscimo de forças espirituais para o combate cristão.

Sem o perdão de Jesus vivemos como filhos pródigos (Lc 15, 11-24). Na parábola do filho pródigo encontramos todos estes requisitos: fazer o exame de consciência, admitir o erro, ter o propósito de voltar para o Pai, confessar e admitir-se pecador diante do Pai e proferir a sua penitência. "Não sou mais digno de ser chamado seu filho".

Santa Terezinha do Menino Jesus dizia: "Os nosso pecados por mais feios e numerosos que sejam, desaparecem diante da bondade de Deus, como uma gotinha de água no oceano imenso." O Pai do céu nos ama tanto que nos quer sempre perto dele.

Ato de Contrição
Meu Deus, em me arrependo de vos ter ofendido. Prometo me esforçar para não pecar mais. Meu Jesus, misericórdia. Amém.

Nenhum comentário:

Postar um comentário