Como nos organizamos?

Como nos organizamos?
Clique aqui para saber

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Feliz Dia do Padre


Parabéns, Padre Luiz Gonzaga Coelho Júnior, Padre José Edwaldo Gomes, Padre Gilson e todos os padres do mundo inteiro.


SER PADRE É SER PONTE

É um título que me entusiasma, porque não há tarefa mais formosa do que
dedicar-se a estender pontes entre os homens e as coisas. Sobretudo num
tempo em que são abundantes os construtores de barreiras. Num mundo de
tantas valas, que coisa melhor do que dedicar-se a superá-las?

Mas fazer ponte – e sobretudo fazer-se ponte – é uma tarefa muito dura. Não
se faz sem muito sacrifício. Uma ponte é alguém fiel às duas margens, mas que não pertence a nenhuma delas. Quando se pede a um padre que seja ponte entre Deus e os homens, quase se está a obrigar a ser um pouco menos homem, a renunciar provisoriamente a sua condição humana para intentar esse duro ofício de mediador e de transportador de margem a margem.

Se a ponte não pertence por inteiro a nenhuma das margens, tem de estar
firmemente assente em ambas. Não é margem, mas apoia-se nelas, é súbita
de ambas, depende de uma e de outra. Ser ponte é renunciar a toda a
liberdade pessoal. Só se serve quando se renunciou.

É lógico que sai muito caro servir de ponte. É um ofício pelo qual se paga
muito mais do que se recebe. Uma ponte é fundamentalmente alguém que suporta o peso de todos os que passam por ela. A resistência, a solidez, são as suas virtudes. Numa ponte conta menos a beleza e a simpatia – embora seja muito bela uma ponte formosa -; conta sobretudo a capacidade de serviço, a utilidade.

Uma ponte vive no desagradecimento: ninguém fica a viver numa ponte. Usa-se para passar, e pára-se na outra margem. Quem quiser carinhos escolha outra profissão. O mediador acaba a sua tarefa quando mediou. A sua tarefa
posterior é o esquecimento. Uma ponte é até a primeira coisa a ser
bombardeada numa guerra. Por isso está o mundo cheio de pontes destruídas.

Realmente ser padre é tocar no céu e não estar lá ainda. É viver a
eternidade, mas ainda só com a esperança que ela chegará. É buscar viver a
pureza, lutando contra a concupsciencia. É ser mediador daquele que é o
centro. É cuidar com a consciência que precisa ser cuidado. É viver a
solidão do pastor sem nunca estar só. É amar a todos, mesmo que ninguém o
ame.

É aceitar a todas as pessoas, mesmo que ninguém o aceitem.


http://blog.cancaonova.com/padreanderson/2009/08/05/ser-padre-e-ser-ponte/

4 comentários:

  1. Olá Tereza,

    Como eu disse em meu post de hoje: "O padre não é um outro Cristo, mas o sinal do Cristo presente."

    Envie um abraço fraterno para os padres de sua paróquia.

    Paz de Cristo!

    ResponderExcluir
  2. Muito obrigada! Dê, também, um abraçonos padres daí. Bjs

    ResponderExcluir
  3. Retribuindo a visita, e admirando esse belo texto!
    Como é bom ler pelavras tão belas sobre nossos saderdotes, em tempos de tanta agonia!
    Parabéns!

    ResponderExcluir
  4. Olá!
    Seu blog tá bonito de se ver!
    Parabéns a todos os padres e que continuem sempre perseverantes na vocação do sacerdócio.
    Grande abraço a vc, fique na Paz e no Amor de Cristo,

    Reinaldo

    ResponderExcluir