Como nos organizamos?

Como nos organizamos?
Clique aqui para saber

terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

O que é a Bíblia?


A Bíblia é um conjunto de 73 livros que revelam a vida de Deus presente na história dos homens. Na Bíblia encontramos a Palavra de Deus expressa pela palavra dos homens, revelando o projeto de Deus, que transforma a história e a leva em direção à liberdade e à vida plena para todos.

A Bíblia é conhecida por vários nomes: Bíblia Sagrada, Livro Santo, Sagradas Escrituras, Palavra de Deus.

Foi escrita durante um período de aproximadamente 1600 anos, mais de 40 gerações, por cerca de 40 autores, das mais diferentes atividades, tais como: reis, camponeses, filósofos, pescadores, poetas, estadistas, estudiosos, etc.: Moisés, um líder político: Pedro, um pescador: Amós, um boiadeiro, Josué, um general; Neemias, um copeiro; Daniel, um diplomata; Lucas, um médico; Salomão e Davi (reis e poetas); Mateus (cobrador de impostos); Paulo (rabino); Esdras (escriba e sacerdote).
Foi escrita em diferentes lugares: no deserto; numa masmorra; nos palácios de Susã, na Pérsia; nas prisões; em viagens; numa ilha, exilado.
Escrita em três continentes: Ásia, África e Europa. Em três idiomas: hebraico, aramaico e grego.

A Bíblia cristã é dividida em duas partes: o Antigo e o Novo Testamento. Podemos também dizer: Antiga e Nova Aliança.

O Antigo Testamento é uma coleção de 46 livros onde encontramos a história de Israel, o povo que Deus escolheu para com ele fazer uma aliança. Portanto, o AT é a história de um povo: mostra como surgiu, como viveu escravo no Egito, como possuiu uma terra, como foi governado, quais as relações que teve com outras nações, como estabeleceu suas leis e viveu a sua religião. Apresenta seus costumes, sua cultura, seus conflitos, derrotas e esperanças.

Os cinco primeiros livros da bíblia fazem parte de um bloco literário denominado Pentateuco:

Gênesis (primeiro livro da Bíblia e retrata as origens do mundo);

Êxodo (a saída do Egito e a experiência do Deus Javé que se compadece com a dor humana);

Levítico ( contém a lei dos sacerdote da tribo de Levi);

Números (recolhe um conjunto de leis que procuram contribuir para a solução dos problemas surgidos) e

Deuteronômio (ou a “segunda lei”). Os judeus chamam essa parte da Bíblia com o nome de Torá, que significa Lei.

Depois vem os Livros Históricos (16) que ocupam a maior parte do AT. Neles encontramos a história de Israel e do judaísmo, desde a conquista da terra prometida até quase a época do NT: Josué, Juízes, 1 e 2 Samuel, 1 e 2 Reis. Formam um relato mais ou menos contínuo, apresentando a história do povo desde a conquista da terra até o exílio na Babilônia; 1 e 2 Crônicas, Esdras e Neemias: abarcam o tempo do pós-exílio babilônico até os meados do séc. III a.C; Rute, Tobias, Judite e Ester. Mais do que história propriamente dita, esses livros são narrativas; 1 e 2 Macabeus. Relatam a resistência heróica de um grupo de judeus diante da dominação estrangeira que ameaçava destruir a identidade cultural e religiosa da comunidade judaica.

Logo após vem os Livros Sapienciais, que é o nome dado a cinco livros do AT: Provérbios, Jó, Eclesiastes, Eclesiásticos e Sabedoria. A esses são acrescentados dois livros poéticos: Salmos e Cântico dos Cânticos, que apresentam a sabedoria e a espiritualidade de Israel.

Para encerrar o AT vem os Livros Proféticos (18), que testemunham a vida e atividade de homens que possuem fé profunda e vigorosa e procuram levar o povo a um relacionamento sempre renovado e responsável com o Deus que julga e salva. Podem ser dividido em profetas maiores e profetas menores. Não porque uns sejam mais importantes que outros, mas simplesmente pela extensão de seus escritos.

Os maiores são quatro; Isaías, Jeremias, Ezequiel e Daniel; os menores são treze: Baruc, Oséias, Joel, Amós, Abdias, Jonas, Miquéias, Naum, Habacuc, Sofonias, Ageu, Zacarias e Malaquias; As Lamentações é atribuída ao profeta Jeremias.

O importante, porém, é que o AT é a história desse povo em aliança com Deus. O AT mostra como esse povo se comportou em relação a Javé, e qual é o projeto que Deus quis realizar no meio da humanidade através desse povo. Esse projeto aparece bem claro nesses livros: considerar somente Deus como o Absoluto, para que as relações entre as pessoas possam ser fraternas e ter como centro a liberdade e a vida.
Vendo como esse povo (Israel) foi fiel ou não a esse projeto e como Deus agiu no meio dele, poderemos nos aproximar com mais compreensão da outra parte da Bíblia, chamada Novo Testamento.

O Novo Testamento ou Nova Aliança é a parte da Bíblia onde encontramos o anúncio da pessoa de Jesus Cristo. Sua mensagem central é o próprio Filho de Deus, que veio ao mundo para estabelecer a aliança definitiva entre Deus e os homens. Jesus, o Filho de Deus, se encarnou na terra e na história concreta do povo de Israel, assumindo sua história, tradições, cultura e religião. Bem cedo a comunidade cristã percebeu que Jesus havia realizado todas as promessas, trazendo o Reino de Deus para a história. E foi com a luz do AT que os primeiros cristãos compreenderam o significado da pessoa e da atividade de Jesus e produziram, pouco a pouco, os escritos do Novo Testamento.

A mesma tarefa cabe a nós: ler e meditar o AT, a fim de compreender a pessoa de Jesus e continuar a sua palavra e ação na história.

O NT agrupa vinte e sete livros, conformes temas e estilos diferentes: Evangelhos, Atos dos Apóstolos, Cartas e Apocalipse.

Os Evangelhos são quatro formas de anunciar Jesus, escritas no ambiente de comunidades diferentes;

Os Atos dos Apóstolos são a segunda parte do evangelho de São Lucas e mostram como o anúncio de Jesus e a formação das comunidades cristãs se expandiram, chegando a Roma, centro do mundo naquela época;

As cartas ou epístolas são escritos dirigidos às primeiras comunidades cristãs;

o Apocalipse de são João é livro escrito em linguagem figurada, porque se dirige aos cristãos em tempo de perseguição. Apresenta Jesus Ressuscitado como Senhor da história, e mostra como os cristãos devem anunciá-lo e testemunhá-lo sem medo, enfrentando até mesmo a própria morte.

A Bíblia é mais que um livro, ela é a Palavra de Deus e só vai ter sentido na nossa vida quando passarmos a dar o devido valor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário